Login  Recuperar
Password
  16 de Setembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Peniche
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Fez 12600 quilómetros de mota entre a Mongólia e Peniche

Carlos Ávila, de 59 anos, percorreu 12600 quilómetros em 29 dias para fazer a ligação de mota entre a Mongólia e a cidade de Peniche. À chegada à terra de onde é natural, no passado sábado, foi recebido por um grupo de motociclistas e pela Câmara.

21-08-2019 | Francisco Gomes (texto) | Carlos Tiago (fotos)

Receção em Peniche pela associação de motociclismo
[+] Fotos
Receção em Peniche pela associação de motociclismo
O motard trabalha para o Governo de Macau, território onde se encontra há 29 anos. Aproveitando as férias, no ano passado fez a ligação dali até à Mongólia. 3730 quilómetros em oito dias. Deixou lá a mota e regressou este ano para completar o resto do percurso desde Ulan Bator (Mongólia) até Portugal, passando, entre 20 de julho e 17 de agosto, por onze países, ao longo de 12600 quilómetros em 29 dias.
“Gosto de fazer viagens de longa duração, mas é a viagem de uma vida”, manifestou.
Pelo meio tem várias histórias. Ainda na Mongólia caiu duas vezes na lama da estrada de terra batida e ficou debilitado fisicamente e devido ao peso que levava danificou a suspensão traseira do veículo, na Sibéria apanhou temperaturas muito baixas e andou dezenas de quilómetros entre floresta onde não se viam casas ou pessoas, e na Rússia a gasolina de fraca qualidade avariou a mota. A passagem pela fronteira da Letónia foi complicada.
“Estive cinco horas à espera para entrar. Havia muita burocracia, muita inspeção de bagagens e de documentos”, relatou Carlos Ávila.
Na Alemanha foi recebido pelo embaixador português em Berlim, João Mira Gomes, e nos restantes países não encontrou dificuldades. Antes de entrar em Portugal, sabendo da crise energética, abasteceu o depósito.
“Abasteci em Espanha com medo de não conseguir arranjar gasolina. Havia uma fila longa de carros mas esperei. Já em Portugal abasteci a caminho de Peniche sem qualquer restrição”, contou.
Na terra de onde é natural foi recebido pela associação de motociclismo e pela Câmara de Peniche, com chegada simbólica ao Cabo Carvoeiro.
A mota vai ficar no país, enquanto Carlos Ávila regressa de avião para Macau para voltar ao trabalho, depois de ter cumprido o seu sonho nestas férias.
“Estou muito satisfeito. Quero agradecer a receção”, declarou.
Com uma média de 600 a 700 quilómetros por dia, havendo dias em que descansou, pernoitou em hotéis, tendo esta maratona representado um investimento de cerca de dez mil euros.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar